A ciência prospera no intercâmbio entre comunidades científicas que vão muito além das fronteiras nacionais. Em um contexto de crescente internacionalização da pesquisa, a cooperação internacional é também uma dimensão do desempenho dos sistemas de pesquisa.

Neste contexto, em estreita colaboração com a direção e os institutos científicos do CNRS e a serviço dos cientistas e unidades de pesquisa do estabelecimento, a DERCI (Direction Europe de la Recherche et Coopération Internationale) tem como missão representar o CNRS e implementar sua política de cooperação internacional na França e no exterior.

Essas missões consistem em apoiar o desenvolvimento e a estruturação da parceria internacional do CNRS, fornecendo aos pesquisadores ferramentas adaptadas às diferentes formas de intercâmbio e colaboração, liderando a rede de cooperação científica internacional estabelecida entre o CNRS e seus parceiros, contribuindo para sua visibilidade, acompanhando a evolução da cooperação científica internacional, orientando instituições parceiras estrangeiras, consolidando a visão global da projeção internacional do CNRS, assegurando uma interface com ministérios, agências e instituições francesas envolvidas na influência internacional da pesquisa francesa.

Os 4 polos geográficos de cooperação internacional

Para melhor realizar missões envolvendo parceiros de todo o mundo, Derci está organizada em 4 polos geográficos: Europa bilateral, Américas-Oceania, Ásia e África- Oriente Médio -Índia. Localizados na sede do CNRS, esses polos garantem a interface institucional, a negociação de parcerias e a gestão de chamados para projetos. Eles mantêm um diálogo constante com instituições parceiras do CNRS na França e no exterior e fornecem apoio a pesquisadores que desejam se envolver em ações de colaboração internacional. Eles consolidam informações sobre a cooperação internacional do CNRS e sobre as perspectivas emergentes nos países parceiros, a fim de lançar luz sobre a governança da instituição.

O Cluster Europeu de Pesquisa

O Cluster Europeu de Pesquisa tem uma antena em Bruxelas o mais próximo possível das instituições europeias e em contato com representantes dos principais atores da pesquisa na Europa. Ela desempenha um papel de liderança na promoção das prioridades e interesses do CNRS e da pesquisa francesa a nível europeu. Coordena uma rede de Engenheiros de Projetos Europeus (IPE) localizada nas diferentes delegações regionais do CNRS, próxima a pesquisadores e laboratórios que desejam estabelecer projetos no âmbito do Programa Quadro Europeu de Pesquisa e Inovação.

Derci também hospeda o Ponto de Contato Nacional Francês (PCN) para o Conselho Europeu de Pesquisa (ERC).

Escritórios de representação no exterior

Os escritórios de representação do CNRS  no exterior estão localizados em locais estratégicos da ciência mundial (Deli, Pequim, Pretória, Rio, Cingapura, Tóquio e Washington-Ottawa). Esta rede permite uma presença ativa no campo. Oferece apoio a pesquisadores expatriados ou em missão e garante uma vigilância estratégica científica, tecnológica e institucional. O objetivo é incentivar a cooperação com parceiros estrangeiros e representar o CNRS junto à comunidade de pesquisa local, bem como com parceiros institucionais estrangeiros.

O cluster de Ações Transversais

Nossas principais missões são enriquecidas por missões transversais necessárias para promover a atividade internacional do CNRS (comunicação), para apoiar pesquisadores e entidades do CNRS (gestão de projetos da aplicação CoopIntEER), para otimizar processos (assuntos jurídicos, abordagem de melhoria contínua, treinamento) ou para promover o CNRS como um ator global na ciência (objetivos de desenvolvimento sustentável, redes multilaterais).

Direção internacional

Para aumentar sua influência internacional, o CNRS está seguindo uma política de cooperação internacional que combina o apoio às atividades internacionais de suas equipes com a implementação de uma visão estratégica compartilhada. Esta política é decidida coletivamente pelo conselho de administração da instituição e implementada pelos comitês operacionais para a Europa e a arena internacional, que asseguram a coordenação entre a Diretoria Geral de Ciência, os institutos científicos e os departamentos funcionais envolvidos, com a Derci garantindo o funcionamento destes órgãos.

Com o objetivo de otimizar e estruturar o intercâmbio internacional entre pesquisadores e laboratórios, o CNRS desenvolveu uma série de ferramentas para dar visibilidade institucional à cooperação estratégica internacional. Essas ferramentas são projetadas para ajudar pesquisadores e parceiros estrangeiros a encontrar os meios mais fluidos e adequados para sua colaboração.

As Ações Emergentes Internacionais, “PI-a-PI”, com duração de 2 anos, visam explorar novos campos de pesquisa e novas parcerias internacionais através de missões de curto prazo em torno de um projeto científico comum (primeira chamada para projetos 2019: aqui).

As Redes Internacionais de Pesquisa, “multi-team”, com duração de 5 anos, permitem animar redes científicas visando a estruturação de uma comunidade científica internacional em torno de um tema ou infraestrutura de pesquisa compartilhada, através de oficinas e seminários científicos internacionais ou escolas temáticas.

Os Programas Internacionais de Pesquisa, “labs-to-labs”, com duração de 5 anos, permitem consolidar pesquisas colaborativas bem estabelecidas através de intercâmbios científicos de curto ou médio prazo, supervisão de estudantes ou a organização de missões de campo.

Os Laboratórios Internacionais de Pesquisa, “laboratórios conjuntos”, com duração de 5 anos, são estruturas internacionais sustentáveis que visam melhorar a visibilidade das operações mais emblemáticas, através da definição de eixos científicos compartilhados e da formação de equipes internacionais de pesquisa centradas em um “lugar da ciência” comum e altamente identificável. Dependendo das necessidades, essas colaborações podem ou não ser apoiadas por estruturas de pesquisa operacionais internacionais dedicadas (SOR).

Os Centros Internacionais de Pesquisa integram parcerias institucionais estratégicas multiprojetos (Ações, Redes, Programas e Laboratórios, convênios dedicados a projetos de pesquisa conjunta e contratos de doutorado) entre o CNRS e instituições de pesquisa parceiras. Eles são orientados por órgãos institucionais bilaterais para promover sinergias.

Em alguns números, as atividades internacionais do CNRS são as seguintes:

  • Mais de 300 acordos bilaterais em 60 países
  • 63% das publicações do CNRS são de coautoria com pesquisadores estrangeiros
  • 60.000 viagens de pesquisador ao exterior a cada ano
  • Cerca de 30% dos pesquisadores estrangeiros recrutados a cada ano no CNRS
  • 8 escritórios de representação ao redor do mundo, incluindo o nosso no Rio de Janeiro para o Brasil.

Mapa dos escritórios do CNRS no mundo