Os 20 anos do Observatório Pierre Auger

O simpósio para comemorar o 20º aniversário do Observatório Pierre Auger foi realizado de 14 a 16 de novembro em Malargüe, Argentina.

No dia 14 de novembro, depois de receber os convidados e participantes, o simpósio científico começou com apresentações recordando a gênese do Observatório Pierre Auger. Tudo começou nas mentes de alguns físicos, liderados por James Watson Cronin (Prêmio Nobel de Física em 1980) da Universidade de Chicago e Alan Watson da Universidade de Leeds. Seu objetivo era criar um gigantesco observatório para estudar raios cósmicos de energia ultra-alta (RCUHE). Após anos de reunião de outros físicos e engenheiros, que trabalharam juntos no projeto e encontraram o local ideal, os primeiros protótipos trabalharam nos pampas já em 2001, e a construção do Observatório foi concluída em 2008.

Recepção dos participantes. (Créditos: Observatório Pierre Auger)

Simpósio. (Créditos: Observatório Pierre Auger)

Foram apresentados todos os avanços no domínio do RCUHE obtidos graças às medições efectuadas pelo Observatório Pierre Auger, bem como o projecto AugerPrime, cujo objectivo é melhorar o seu desempenho, e já bastante avançado na sua realização. O Observatório de Conjuntos Telescópicos, localizado no Hemisfério Norte, também foi descrito, assim como seus principais resultados. Várias apresentações focaram em modelos de aceleração, propagação RCUHE e os últimos avanços em outros mensageiros do cosmos (raios gama, neutrinos, ondas gravitacionais), e as ligações entre raios cósmicos e física de alta energia exploradas com aceleradores foram destacadas por vários palestrantes. Para concluir este simpósio, as perspectivas nestas áreas de pesquisa foram revistas.

Edifício com 6 telescópios de fluorescência. (Créditos: Observatório Pierre Auger)

Detectores no pampa. (Créditos: Observatório Pierre Auger)

A tarde de 15 de Novembro foi dedicada a uma visita aos principais detectores do Observatório: detectores de fluorescência e detectores de água de Cherenkov, equipados com novos detectores de cintilação e antenas de rádio. Os visitantes vão se lembrar do vento forte que sopra no topo da colina onde um dos edifícios telescópicos está localizado. Esta visita permitiu que os hóspedes tomassem conhecimento do alcance do projeto e das dificuldades envolvidas na instalação e manutenção de tal observatório nos pampas argentinos,

O dia 16 de novembro começou com a participação no desfile tradicional organizado anualmente pelo município de Malargüe. À tarde, sob um sol quente de primavera, aconteceu a cerimônia de celebração da criação do observatório: várias personalidades falaram para recordar a importância desta extraordinária conquista na pesquisa internacional, para a vida científica argentina e para a província de Mendoza, assim como para a cidade de Malargüe. Em seguida, uma escultura erigida no campus do Observatório foi revelada. A cerimônia foi encerrada com uma recepção e os participantes puderam desfrutar de um “asado”, um churrasco argentino.

Convidados e membros da colaboração participam do desfile na Avenida San Martín. (Créditos: Lukas Nellen)

Cerimônia e discurso diante de todos os participantes (Créditos: Corinne Bérat)

A escultura é revelada. (Créditos: Observatório Pierre Auger)

Asado ! (Créditos: Observatório Pierre Auger)

Na manhã de domingo, dia 17, a colaboração Pierre Auger iniciou sua semana de encontros de trabalho, que se prolongou até sexta-feira.